• 10 FEV 17
    • 0
    Luxação Patelar

    Luxação Patelar

    O que é luxação patelar?

    Luxação é um termo que popularmente é mal utilizado, muitas pessoas acham que luxação é apenas um trauma ou uma “pancada”, mas na realidade, o significado de luxação é quando qualquer osso é deslocado da articulação. No caso da patela, a luxação da mesma se refere ao momento em que a patela sai do seu local, onde se encaixa com a tróclea femoral. Geralmente ela se desloca para lateral ou seja, para a face externa do joelho.

    O que causa a luxação patelar?

    Devemos ter em mente que existem 2 tipos de pacientes que luxam a patela: aqueles que possuem fatores predisponetes para a luxação da patela, e aqueles que não tem fator predisponente. Para a patela luxar, o mecanismo clássico é o joelho em aproximadamente 30 graus de flexão, e um movimento em valgo do joelho, ou seja, o joelho se deslocando para a parte interna. Devido ao vetor de força proporcionado pelo quadríceps e tendão patelar, há uma tendência da patela se deslocar para a região lateral do joelho, podendo ocorrer a luxação, como ilustrado na figura abaixo. Após a primeira luxação, pode ocorrer dos estabilizadores mediais ficarem insuficientes, facilitando novos episódios. Pacientes com fatores predisponentes, podem luxar a patela com traumas leves, e possuem maior chance luxar novamente.

    luxacao-de-patela_1

    Quais são os fatores predisponentes?

    Os fatores predisponentes são alterações da anatomia do joelho adquiridas congenitamente (através da genética do indivíduo). São eles: patela alta, morfologia anormal da patela, displasia troclear, ângulo Q aumentado com lateralização da tuberosidade da tíbia, joelho valgo, hipoplasia do músculo vasto medial oblíquo, hiperfrouxidão ligamentar, torção tibial externa.

    Quais os sintomas?

    No momento da primeira luxação, o indivíduo sente dor intensa e aguda, principalmente na porção medial (interna) e anterior (na frente) do joelho. Frequentemente o joelho fica edemaciado nas primeiras 24 – 48 horas. Normalmente a sensação é de que o joelho saiu do lugar e voltou imediatamente, pois a patela geralmente volta à sua posição com facilidade. Após 1 a 2 meses de tratamento, a região ligamentar lesionada estará cicatrizada, podendo estar insuficiente ou não. Estando suficiente, provavelmente a patela não sairá do lugar novamente e o paciente não terá sintomas de instabilidade. Porém se houver frouxidão, a patela poderá voltar a sair do lugar, repetindo o processo. Além do sintoma de instabilidade, pode ocorrer lesão da cartilagem da articulação do fêmur com a patela, causando dor em diversas situações. Neste caso, teremos a condromálacea patelar.

    Como é feito o diagnóstico?

    São usados 3 elementos para o diagnóstico:
    - A história do paciente, com os dados do momento da lesão e os sintomas relatados, conforme acima citados.
    - O exame físico realizado por ortopedista. O exame clínico é fundamental. O exame sempre leva em comparação o outro joelho ( não lesionado). Quando a patela luxa e não retorna ao seu lugar, é muito fácil o diagnóstico, pois é possível visualizar a deformidade causada.
    - Exames de imagem: Radiografias, para descartar fraturas e avulsões ósseas. A Ressonância Magnética é um importante exame para avaliar lesões de cartilagem associadas e para determinar o local da lesão do ligamento patelofemoral medial, que é o principal agente para manter a patela na sua posição e não luxar para lateral.

    Como é o tratamento?

    Há quem defenda que sempre deve ser realizada a cirurgia para a reconstrução do Ligamento Patelofemoral Medial, porém alguns cirurgiões defendem o tratamento sem cirurgia após a primeira luxação. Existem duas situações que o tratamento deve ser cirúrgico logo após a primeira luxação: quando há um destacamento ósseo que possa ser fixado ou removido; e quando a patela após recolocada na sua posição, se mantém deslocada parcialmente. Quando não estamos diante desta 2 situações , que pode ser realizado o tratamento sem cirurgia, com a imobilização do joelho, permitindo apoio do membro lesionado com auxílio de muletas. Após este período, fisioterapia para ganho de força e treino proprioceptivo. Geralmente o paciente é liberado para atividade esportiva após aproximadamente 2 meses da lesão. No caso de luxações repetidas, partimos para o tratamento cirúrgico, com reconstrução do Ligamento Patelofemoral Medial, podendo ou não realizar outras correções e tensionamentos. Em alguns casos de alteração anatômica exuberante da tróclea femoral, é necessária a trocleoplastia. Após a cirurgia o joelho permanece imobilizado, sendo manipulado passivamente na fisioterapia por 1 mês. Após este período intensifica-se o fortalecimento e treino proprioceptivo, retornando a atividades esportivas após o exame com o ortopedista e a verificação da estabilidade do joelho.

    facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby featherDeixe um Comentário →

Deixe um Comentário

Cancelar Comentário

Photostream

facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather